16 de mar de 2010

Rodrigo Coimbra de Almeida

Realmente começar a escrever é muito difícil. Poderia iniciar esse texto falando de toda dificuldade dos meus pais em manter minha irmã e eu nos melhores colégios de Niterói para que tivéssemos as oportunidades que eles não tiveram. Minha mãe até que se formou professora, mas não chegou a dar uma aulinha que fosse, pois se casou e "veio pra cidade grande". Meu pai, realmente sem chance nenhuma de estudar, teve que se contentar com a quarta série primária. Daí se pode imaginar todas as dificuldades pelas quais passamos. Reclamações? Nenhuma, somente satisfação de ter passado por todas, o que tornou essa vitória familiar muito mais saborosa. Minha família já sabe, mas quero tornar público todo o meu agradecimento. Ao meu pai, sem sombra de dúvida, simplesmente devo tudo que sou, à minha mãe, que sempre esteve ao meu lado e à minha irmã, inspiração em todos os sentidos, até na profissão. E cabe ainda um mais do que especial: madrinha, obrigado. Ah! Seria injustiça faltar o agradecimento ao ASSIS.
Faculdade, o que falar da UFRJ?! Já sei: não queria sair nunca de lá. Realmente depois que me formei tentei ficar, todavia só mais seis meses, depois, vida real. O Fundão para mim era um lugar que você só vê nos mais belos sonhos. Não, lá não é um paraíso com verdes campos, cachoeiras, pássaros lindos. Lá é feio, muito feio, mas me trazia um bem estar enorme e hoje eu sei o motivo... eu amo odontologia.
Lá também conheci Raquel e Tatiana, eu um veterano cruel e elas calouras indefesas. Sabe aquele ditado "A primeira impressão é a que fica."? Balela, perguntem para Raquel. Mal sabíamos que dali surgiria a Oral Odontologia Integrada. A vida é incrível e a minha é também maravilhosa, graças a Deus!
Hoje, com 10 anos de formado, faço questão de fazer mais uma justiça. Desde de 31/03/2001 tenho ao meu lado uma pessoa que sempre me incentiva, que nos momentos difíceis me ajuda a segurar a barra, que tem grande responsabilidade em tudo o que sou hoje, tanto no âmbito profissional, quanto no pessoal e que me faz muito feliz. Quero registrar nessas poucas, simples, contudo apaixonadas palavras, toda minha gratidão, admiração e todo meu amor à minha linda esposa, Graciela.
Quero deixar claro que é uma honra participar dessa equipe e uma grande responsabilidade também, por se tratarem de pessoas altamente qualificadas. Admiro cada um de vocês, grandes profissionais e grandes pessoas.
Abraços e beijos para todos e até breve.

http://www.oralodontologia.com.br/
Rodrigo Coimbra de Almeida
Reabilitação Oral - CRORJ 25939


12 de mar de 2010

Mini-implantes Ortodônticos




Caso Clínico: observe quanto o dente movimentou em apenas 4 meses de tratamento.






No dia-a-dia do consultório, em conversas com colegas de trabalho, pacientes e amigos, muitos querem saber sobre mini-implantes ortodônticos. Como as dúvidas são grandes, achei que este seria um bom assunto "clínico" para o blog. O mini-implante ortodôntico é um auxiliar no tratamento ortodôntico. O nome assusta, pois é logo comparado ao implante tradicional, colocado cirurgicamente para substituição de um dente ausente. Mas só tem em comum a composição, titânio, mas não na mesma proporção. O miniimplante ortodontico tem compostos que não permitem a osseointegração, sendo removido facilmente do osso quando necessário.

Para fixar um mini-implante, escolhemos o local e anestesiamos o pontinho da mucosa que será perfurada. É uma anestesia superficial, somente "uma gotinha", para interromper a sensibilidade neste ponto da mucosa e no periósteo (parte mais externa do osso) abaixo dela. Não é preciso uma cirurgia, cortar gengiva ou osso, nada disso. Não ultrapassa 10 mm para dentro do osso, e não existe dor na perfuração após o periósteo, por isso a anestesia não é profunda. E a expessura máxima existente é de 2 mm. É rosqueado manualmente e pode ser feito pelo próprio ortodontista. Para removê-lo é só desrosquear, e isso é feito sem anestesia e sem dor.

A "cabeça" do mini implante ortodontico fica aparecendo na mucosa e é onde engatamos elásticos ou fios ortodônticos. Em muitos tratamentos ortodônticos precisamos aplicar grandes forças nos dentes, e apoiar essas forças em outros dentes pode ser arriscado, e às vezes contra-indicado. Até então, a solução era o uso de aparelho extra-oral, o famoso "freio de burro". Com ele, o apoio é feito na nuca ou na cabeça, impedindo que dentes bem posicionados sofram a reação da força aplicada nos dentes mal-posicionados. Este é o princípio dos mini-implantes: aguentar a reação da força. Chamamos esse tipo de mecânica de "ancoragem ortodôntica". O mini-implante substitui o aparelho extra-oral na maioria dos casos, mas não em casos ortopédicos, quando a atuação da força é no osso e não nos dentes. Explicando melhor: se é criança e está em fase de crescimento, usando extra-oral para "controlar" o crescimento da maxila, só ele resolve.

Agora veja as fotos que coloquei lá no início deste texto. São de um adulto e queremos aplicar uma força grande para intruir (mover "para dentro" do osso) um dente superior extruído. Falta o dente inferior, e a extrusão ocorreu por falta de contato. Há casos em que o dente superior desce até tocar a gengiva inferior, onde deveria estar o dente perdido, o antagonista. Antes da existência do mini-implante a solução era "cortar" a coroa do dente, tratar o canal e reabilitar proteticamente. Outra solução era o uso do extra-oral, com apoio no topo da cabeça, uso de 24h por dia . Ou extrair o dente e reabilitar com implante ou prótese. Mas com os mini-implantes o movimento foi conseguido em apenas 4 meses, e o mais importante: o dente permaneceu hígido (preservado, sem desgastes).

Os mini-implantes também são auxiliares excelentes para distalizações e retrações (levar os dentes anteriores para trás), quando o tratamento ortodôntico envolve extrações dentárias e não podemos perder nem meio milímetro do espaço que foi conseguido. Nestes casos, sem o uso contínuo do extra-oral ou, atualmente, dos mini implantes ortodonticos, não conseguiríamos evitar a perda de ancoragem (movimento indesejável dos dentes posteriores para frente, ocupando o lugar das extrações). Quando ocorre esta perda de ancoragem torna-se impossível corrigir por completo a projeção dentária anterior ("dentuça").
Esses são apenas alguns exemplos de como os miniimplantes ortodonticos são essenciais na ortodontia atual, substituindo o extra-oral com maior eficiência, tanto na ancoragem quanto na estética.
Quem tiver mais dúvidas ou quiser mais exemplos de indicações ou fotos de casos clínicos é só nos procurar em http://www.oralodontologia.com.br/.
Raquel Moreira Guimarães
Ortodontista - CRORJ 27986