12 de nov de 2011

A Importância da Primeira Consulta - Por que não cobrar?


Depois de um longo tempo sem postagens, volto falando de um assunto muito importante para nós, dentistas. Talvez este deveria ter sido nosso primeiro tema, mas nunca é tarde, principalmente quando o objetivo é a valorização profissional.
Quem nunca ouviu, no consultório, a seguinte frase: "Mas é só para dar uma olhadinha! Vai cobrar???".
Não sei quando nem onde, pela primeira vez, um dentista teve a infeliz ideia de não cobrar pelo diagnóstico, pelo conhecimento que, com tanto sacrifício, conquistamos ao longo da nossa vida profissional. E a moda pegou.
Qual a fase mais importante do tratamento? Se pararmos para analisar, é a primeira consulta! Mas uma primeira consulta bem feita, para um correto diagnóstico, essencial para o sucesso do tratamento. Existem aqueles que, talvez por não cobrarem, a realizam sem cuidado, na correria. Mas estes ainda mais têm a perder. Ou comprometem o tratamento, ao não corrigirem os erros a tempo, ou a relação de confiança com o paciente. O pior (na verdade, melhor) é que a maioria dos dentistas que conhecemos faz uma primeira consulta de qualidade. Mas, mesmo assim, não são devidamente valorizados.
E foi isso que nos fez acordar. Isso mesmo, não cobrávamos a primeira consulta! Seguimos a moda e tínhamos a falsa ideia de que, se cobrássemos, perderíamos bons pacientes. Mas a verdade é outra e podemos dizer com toda certeza: este é o filtro para os bons pacientes, aqueles que valorizam a odontologia. Os que não valorizam, conhecer, para quê?! São aqueles "pesquisadores de preço sem compromisso", que tomam o nosso tempo, sugam o nosso conhecimento, agendam a próxima consulta e faltam sem dar a mínima satisfação. Estes não podemos mudar, só evitar. O que podemos mudar é a nossa postura profissional, pois a valorização começa por nós.
Para quem precisa de números, analisamos as estatísticas do programa de gerenciamento que utilizamos no consultório. Antes, a média era de 50% de faltas. Hoje, é de 10%. A agenda ficou mais enxuta, mas é real e não ilusória. Com isso, temos mais disponibilidade e tempo para as consultas, tanto as iniciais quanto as dos pacientes já em tratamento. Damos mais atenção ao paciente, item de ouro para a fidelização.
Ainda sobre números, como calcular o valor de nossas consultas? Aluguel, água, luz, telefone, depreciação dos equipamentos e instrumentais, salário de funcionários, materiais descartáveis como luvas, gorros e máscaras, materiais de limpeza, enfim, existem inúmeros outros itens que poderiam ser listados aqui e que facilmente nos ajudam a determinar o custo da hora clínica. Além disso, e não menos importante, os bens imensuráveis, como nosso constante estudo (e até viajamos para isto!), o tempo que poderíamos estar passando com a nossa família e amigos, nossos momentos de lazer ou cuidando da nossa saúde.
Para aqueles que ainda têm dúvidas, sugiro um teste. Três meses de valorização profissional. Nós da Oral fizemos e nos surpreendemos ao descobrir um bom número de pessoas que ainda valorizam a odontologia. Até mais do que muitos dentistas.

Dra. Raquel Moreira Guimarães
Ortodontista - CRORJ 27986